“Like a Prayer” (Madonna) versus “Born This Way” (Lady Gaga) – Parte II

O Clube do Vinil apresenta, nessa terça, a sua primeira sessão dupla. Hoje vamos nos aprofundar em um álbum muito polêmico e controverso: Born This Way, da Lady Gaga”

Born This Way é o segundo álbum de estúdio gravado por Lady Gaga (apesar de ela considerar The Fame Monster não um EP mas sim um álbum completo, sendo Born This Way, então, o terceiro álbum de estúdio para Gaga e os fãs). Foi lançado a 23 de maio de 2011. Born This Way é notavelmente diferente dos álbuns anteriores de Gaga, já que incorpora uma vasta gama de elementos de vários gêneros musicais, inclusive a ópera, o heavy metal, o disco e o rock ‘n’ roll, e funde os elementos com sons de electropop e dance. Também é fortemente inspirado pelo synthpop e pela música eletrônica das décadas de 80 e 90. Na gravação das canções, Gaga trabalhou com vários produtores, incluindo Red One (que também produziu o primeiro hit single dela, Just Dance), Fernando Garibay, Jeppe Laursen e DJ White Shadow, e contou com a participação de artistas como Clarence Clemons e Brian May.

Em 17 de Abril de 2011, Gaga postou no Twitter a sua escolha para a capa do álbum, que apresentava a cantora fundida em uma motocicleta. O seu nome não aparece na capa do álbum. O único texto é escrito na parte superior, com o nome do álbum.  “A capa representa ou simboliza o fato de eu estar mudando constantemente em diversas formas”, disse a cantora. A capa recebeu uma resposta negativa por parte de alguns críticos e fãs. A capa da versão especial foi lançada no mesmo dia. Ela apresenta apenas a cabeça de Gaga, retirada da versão padrão. As palavras “Lady Gaga” e “Born This Way” aparecem no canto superior esquerdo, digitadas na fonte Impact, com “Born This Way” em destaque no branco com letras pretas. Nenhuma das palavras “especial” ou “deluxe” aparecem em qualquer lugar da capa, a pedido de Gaga.

O primeiro single, “Born This Way”, é um hino de aceitação, sobre como todo mundo é igual, independentemente da cor da pele, sexualidade ou credo, e que cada pessoa pode realizar o seu sonho. A faixa foi apresentada pela primeira vez ao vivo no palco do Grammy, onde Gaga saiu de dentro dum ovo gigante e literalmente nasceu para se unir à uma raça igualitária. “Born This Way” apresenta batidas de eurodisco. Logo depois do lançamento de Born This Way no iTunes, ela já havia se tornado a música com a venda mais rápida da história, recorde superado depois por Taylor Swift, com We Are Never Ever Getting Back Together.

Mas nem tudo são flores: As críticas começaram a cercar o mais novo single de Lady Gaga mais rápido do que suas vendas, e um nome era unânime na boca de quem a acusava de plágio: Madonna. Logo depois de ser lançada, Born This Way começava a ser comparada ao sucesso lançado por Madonna em 1989, ExpressYourself, presente no álbum Like A Prayer, que está junto com Born This Way no nosso Clube do Vinil especial.

O segundo single foi Judas. Gaga confirmou ser influenciada pelo personagem bíblico Judas Iscariotes. A faixa é sobre ser traída, contemplar a vingança , mas ser repetidamente atraída para o terror. A canção desencadeou acusações de blasfêmia pela Liga Católica dos Direitos Civis e Religiosos, antes mesmo do seu lançamento. A canção também é uma faixa de dance-pop e electropop, com influências de música industrial,  bem como um breakdown com influências de techno e do dubstep. Ela foi composta na mesma sincronia que “Bad Romance” – se você cantar o refrão de “Bad Romance” no instrumental do refrão de “Judas”, vai se encaixar perfeitamente.

O terceiro single (que não era pra ser, mas devido ao sucesso no seu lanamento digital, acabou virando) é The Edge Of Glory. Gaga revelou, durante a entrevista no Musicians@Google Presents: Google Goes Gaga, que The Edge Of Glory era sobre seu último momento na Terra, o momento da verdade, o momento antes de deixar esse mundo. Na mesma entrevista, Gaga afirmou que ela escreveu The Edge Of Glory após a morte de seu avô: “O meu avô morreu há cerca de cinco meses atrás, e meu pai e eu estávamos indo dizer adeus a ele no hospital”, ela conta. “Meu pai se sentou comigo ao piano e eu escrevi Edge of Glory. Nós dois choramos”. Ao E! News, a Mother Monster disse: “A música é sobre eu observar meu avô morrer e acreditar que ele olhou para a minha avó e percebeu que era um campeão. Quando ele está preparado para alcançar a beira da glória, isso representa estar na beira desse momento glorioso”. Já no Howard Stern, ela afirma que a música “é sobre saber, em seu coração, que você nunca pode chegar a esse momento glorioso até que você morra. Então viva a vida no extremo, entre o céu e o inferno, e vamos todos dançar no meio do purgatório”.

O saxofonista Clarence Clemons, que participa de The Edge of Glory, morreu no dia 18 de junho de 2011, três dias após o lançamento do clipe para a canção. Clemons morreu em decorrência de um derrame cerebral.

Quarto single de Born This Way, Yoü And I é uma balada pop com elementos de country e rock. Não foi mencionado o nome do namorado de Lady Gaga na letra da Yoü and I, mas sabe-see que ela foi inspirada no relacionamento de Gaga com Lüc Carl (por isso a trema no nome da música). A parte irônica é que ela conheceu seu noivo, Taylor Kinney, nas gravações do clipe. A canção incorpora a sample de “We Will Rock You” do Queen, que também aparece com o guitarrista da banda, Brian May, conduzindo os riffs da música.

Quinto single, encerrando os trabalhos do álbum, Marry The Night é a faixa que abre Born This Way. O nome “Marry The Night” refere-se à necessidade de abraçar o lado escuro da vida, suas próprias sombras, as das outras pessoas e da sociedade. O casamento é algo para a vida toda, então quando você “se casa com a noite”, você aceita o seu lado negativo, feio e diferente para sempre. Lady Gaga se vira para seu lado obscuro para que possa estar feliz consigo mesma e com sua vida porque ser “boa” não a estava levando a lugar nenhum. Sua escuridão é perigosa e caótica, mas é o que a move. Numa mistura de disco com techno, “Marry The Night” é uma canção mega animada que fala sobre abraçarmos o lado negro da força vida e, assim, sairmos reis e rainhas da nossa própria escuridão.

O álbum de uma geração? O álbum mais pretensioso de todos os tempos? Sim, Born This Way pode ser esses dois tipos de álbum ao mesmo tempo e isso não é algo ruim. Recheado de músicas com mensagens únicas, Gaga ousa ao trazer vários estilos diferentes para o pop e conseguiu fazer um álbum único. Pretensão só é ruim quando você promete algo grande e entrega algo vazio, o que definitivamente não é o caso.

Você não vai perder esse grande encontro de duas das maiores divas do pop, né? Vai ser amanhã, 23/06, a partir das 18h, no auditório da pós graduação, no IACS 2 em Niterói!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s